ASSÉDIOSEXUAL

Tudo começou com elogios inoportunos, brincadeiras fora de hora, olhares que constrangem, até chegarem os convites invasivos. Em uma das mensagens, enviadas pelo celular, o pedido: “quer sair comigo depois do expediente?”. Mesmo com a recusa, o assediador continua a insistir. “Você só não é promovida porque não quer”, em forma falada ou escrita. Há mesmo tentativas de beijo e de contatos íntimos, corporais.

Talvez já tenha passado por alguma situação como esta. Isso pode ocorrer com homens ou mulheres. Se não passou, com certeza conhece alguém que tenha passado. Lidar com o assédio sexual parece ter se tornado rotina na vida de muitas pessoas, e nem mesmo o ambiente de trabalho é um local seguro.

O QUE PODE SER CONSIDERADO ASSÉDIO?

O assédio pode se manifestar de maneira clara ou sutil.

Pode ser falado ou apenas insinuado.

Pode ser escrito.

Expressado por gestos ou atitudes.

Pode vir em forma de chantagem.

Pode vir como intimidação, seja em relação ao trabalho, seja sobre a vida pessoal de quem é assediado.

O QUE EU DEVO FAZER?

Como prova de assédio sexual, você pode utilizar o seguinte:

  • Testemunhas (obs.: evite falar com o ofensor sem estar acompanhado por testemunhas e pegue o máximo de informações possível sobre elas, como telefones, e-mail, endereço, RG e CPF, etc.)
  • Bilhetes, mensagens em aplicativos, e-mails e presentes enviados pelo ofensor
  • Boletim de ocorrência (afinal de contas, assédio sexual é crime!)
  • Documentos médicos (prontuário, receitas, atestados, declarações e exames)
  • Documentos do INSS (caso você tenha se afastado do trabalho em razão do assédio, por exemplo)
  • Fotos e vídeos

PRAZO

Existe um prazo para propor qualquer tipo de ação; se ele for perdido, a vítima não pode mais pedir a indenização. Por isso, não deixe para última hora e venha conversar com a gente para saber mais sobre o seu caso.

VAMOS CONVERSAR?