ACIDENTEDE TRÂNSITO

“CRASH!!”

A última coisa de que você se lembra é de dirigir tranquilamente pela rua. Quando acordou, havia muitas pessoas a sua volta, preocupadas, pedindo para que você não se mexesse. No final das contas, o que era para ser apenas um passeio de domingo, acabou se transformando num pesadelo. Como resultado, você sofreu traumatismo na cabeça, uma fratura exposta na perna e outras lesões.

Você se lembra de alguma história parecida com esta?

Provavelmente, sim. Afinal, em todos os anos é assustador o número de vítimas de acidentes envolvendo carros, motos, caminhões, ônibus, bicicletas, entre outros, envolvendo tanto motoristas quanto pedestres. Mas o que pouca gente sabe é que a pessoa que sofre um acidente — seja atropelamento ou batida — pode pedir indenização.

TIPOS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO

Acidente de carro

Acidente de moto

Acidente de ônibus

Acidente de caminhão

Acidente de bicicleta

Acidente com animais

Atropelamento

Acidente com trem

COMO SABER SE EU REALMENTE TENHO DIREITO?

Em casos de acidente de trânsito, é fundamental que fique claro de quem é a responsabilidade pelo acidente. Afinal, se for preciso, a vítima pode buscar indenização de outros responsáveis, que não sejam aqueles que estavam atrás do volante, como o Estado ou a concessionária (por falta de sinalização ou manutenção de vias, por exemplo) ou ainda a empresa de ônibus que realizava o transporte. Tendo isso em mente, também é preciso saber que, dependendo do que aconteceu no acidente, você pode pedir, por exemplo, uma indenização por danos materiais (despesas médicas, conserto do carro, pensão mensal no caso de morte ou perda ou redução da capacidade de trabalho, etc.), danos morais (tristeza pela perda de um familiar ou pessoa querida, trauma do acidente, etc.) ou danos estéticos.

O QUE EU DEVO FAZER?

Para entrar como uma ação de indenização, algumas provas são necessárias, como por exemplo:

  • Boletim de ocorrência
  • Testemunhas (tenha o máximo de informações possível sobre elas, como telefones, e-mail, endereço, RG e CPF, etc.)
  • Fotos e vídeos (do local do acidente, das lesões físicas e dos danos causados ao veículo)
  • Comprovantes de despesas (comprovante de pagamento do conserto do carro, despesas médicas, etc.)
  • Documentos médicos (prontuário, receitas, atestados, declarações e exames)
  • Documentos relativos ao trabalho da vítima (como carteira de trabalho e comprovantes de renda)
  • Documentos do INSS

DPVAT

Não esqueça de que você também pode ter o direito de pedir a indenização relativa ao seguro obrigatório dos veículos, o famoso DPVAT, que não tem nenhuma relação com a indenização que você pode pedir na Justiça (ou seja, uma indenização não exclui a outra). No caso do DPVAT, você não precisa de advogado, bastando reunir os documentos necessários e procurar uma das seguradoras credenciadas. Para mais informações: https://www.seguradoralider.com.br/Seguro-DPVAT/Sobre-o-Seguro-DPVAT# 

PRAZO

Existe um prazo para propor qualquer tipo de ação; se ele for perdido, a vítima não pode mais pedir a indenização. Por isso, não deixe para última hora e venha conversar com a gente para saber mais sobre o seu caso.

VAMOS CONVERSAR?