RELAÇÕES AFETIVAS 

Com certeza, você conhece algumas famílias em que só a mãe ou só o pai  cria e cuida dos filhos, e o outro não tem o menor interesse em manter qualquer contato com eles. É triste, mas essa é a realidade de muitas pessoas. E lidar com tudo isso não é fácil! A Justiça tem entendido que esse abandono por um dos pais (chamado de “abandono afetivo”) pode gerar o direito de pedir uma indenização.

Você também já deve ter ouvido a história de alguém que estava num relacionamento e resolveu ficar noivo. Depois de um certo tempo de noivado e de muito planejamento, chega o grande dia: todos os convidados estão na igreja, a decoração está maravilhosa, do jeito dos sonhos; só que acontece um probleminha: o noivo ou a noiva não aparece. Pois é, dá pra imaginar a tristeza daquele que foi abandonado no altar, certo? Então, em casos como esse, também pode surgir o direito de se pedir uma indenização.

O QUE FAZER NESSES CASOS?

É preciso ter em mente que, como em qualquer outro caso, você precisa de provas do que aconteceu, e estas provas podem variar de acordo com casa situação. De modo geral, você pode reunir:

  • Testemunhas (pegue o máximo de informações possível sobre elas, como telefones, e-mail, endereço, RG e CPF, etc.).
  • Imagens e mensagens de texto – que podem ser usadas como provas da traição, por exemplo.
  • Laudo ou declaração feita pelo psicólogo que atendeu a vítima, se houver.

PRAZO

Existe um prazo para propor qualquer tipo de ação; se ele for perdido, a vítima não pode mais pedir a indenização. Por isso, não deixe para última hora e venha conversar com a gente para saber mais sobre o seu caso.

VAMOS CONVERSAR?